O Básico do Cinema: A importância do corte - A Cena Deletada de Superman

Post originalmente publicado no blog RE-ENTER.

Um dos grandes problemas da cinessérie Transformers, é que Michael Bay não entende que algumas cenas precisam ser removidas da versão final do filme, para que a obra não sofra com ritmo arrastado e informações desnecessárias. Mesmo que a sequência tenha ficado boa de forma isolada, muitas vezes, quando colocada dentro do longa, ela mais atrapalha do que ajuda.

Vejam por exemplo essa bela cena, que deveria ser a inicial de Superman - O Retorno, filme que Bryan Singer dirigiu em 2006. De plástica impecável, deve ter sido uma decisão difícil para o diretor removê-la do produto final, principalmente pelo seu alto custo. Reza a lenda que somente para essa cena, foram gastos 10 milhões de dólares.
Porém, ela não acrescenta nada ao filme, a não ser 5 minutos. É notório que Superman - O Retorno sofre com problemas de ritmo, agora imagine se essa cena tivesse sido incluída no corte final.
Claro que os fãs do personagem iriam adorar a ligação visual com o Superman original deRichard Donnermas o grande público não é feito apenas por nerds e profundos conhecedores do Homem de Aço. A inclusão dessa abertura poderia atrapalhar ainda mais o desempenho que o longa teve nas bilheterias, que não foi dos melhores, levando em conta seu pesado orçamento.
Por isso que cineastas mais experientes na indústria, que entendem o que fazer para aumentar o apelo comercial de seus filmes, são obrigados a enfrentar o duro momento do "corte". Pra isso não podem ter uma ligação tão forte com o filme a ponto de comprometer sua própria arrecadação e sua qualidade.
Como, então, Michael Bay consegue arrecadar milhões com suas obras exageradas e sem ritmo? Simples. Seus filmes são como doces. Quanto mais você experimenta, mais você quer. Mesmo que causem problemas a sua saúde.
P.S.: A cena deletada, intitulada Retorno a Krypton, está presente nos extras do Blu-ray de Superman - O Retorno, que está incluído no box Superman Anthology.
Alexandre Luiz

Comente pelo Facebook

Comentários

Comente pelo Facebook

Comentários

4 comments

  1. Rafael 24 maio, 2012 at 06:35 Responder

    a cena em si eh ridicula por si so .. nao ha nenhuma conexao com o personagem e a simple snecessidade de uma nave pra voar no espaço ja torna o persongaem muito distante dos quadrinhos.

    o filme do singer eh uma das piores qcoisas ja feits com o superman…

    • Alexandre Luiz 24 maio, 2012 at 07:42 Responder

      Rafael, obrigado pelo comentário. Apenas um adendo: para grandes distâncias, principalmente fora do nosso sistema Solar, o Superman precisa sim de nave. Isso porque os poderes dele vem do nosso Sol amarelo, ou seja, longe do Sol o Super vira uma pessoa comum. No mais, é isso mesmo, a cena não adiciona nada na história já arrastada de Returns.

      • Elthon 25 maio, 2012 at 17:30 Responder

        Caro amigo, o Superman já armazenou bastante energia solar em seu corpo ao longo dos anos, apenas sendo necessário nova energização solar se o super se mantiver muito tempo longe do nosso sistema solar. Se fosse o contrário, e ele tivesse que estar sempre sob a luz de um sol amarelo, várias sagas que o super participou fora de nosso sistema solar não teriam sido possíveis.

        • Alexandre Luiz 25 maio, 2012 at 20:12 Responder

          Na maioria das sagas o Super vai direto pra outros sistemas por meio de algum transporte. Ir pra Krypton, ou melhor, para os destroços de Krypton, planeta que fica a 50 anos-luz fora do sistema solar simplesmente voando seria simplesmente suicídio, isso sem contar que ao chegar ao planeta, ele teria contato direto com kryptonita pura! Existem várias histórias do Super nos anos 80 que o mostram no espaço usando inclusive uma máscara de oxigênio para distâncias mais longas. E quanto a armazenar a energia do sol. já ficou estipulado que não é bem assim que funciona. Se ele ficar muito tempo fora do sist. solar, os poderes começam a sumir. Não sei agora com o reboot como está, mas nos períodos pré-Crise e pós-Crise várias histórias usaram disso como pano de fundo.

Deixe uma resposta