Crítica: Em Ritmo de Fuga

Tendo começado a chamar a atenção a partir do excelente Todo Mundo Quase Morto, Edgar Wright desde então tem se mostrado um realizador com talento para divertir o público com suas narrativas, nos conquistando com inteligência e, por vezes, sabendo brincar até com a própria linguagem cinematográfica. Em Ritmo de Fuga, seu mais novo filme, segue essa linha com naturalidade, de forma que Wright leva apenas alguns minutos para conquistar o espectador não só com a diversão que proporciona, mas também com a precisão técnica com a qual a realiza.

Escrito pelo próprio Edgar Wright, Em Ritmo de Fuga acompanha o jovem Baby (Ansel Elgort), piloto de fugas que tem o hábito de ouvir músicas quase o tempo todo. Devido a uma dívida, ele é sempre chamado por Doc (Kevin Spacey) para ajudar ele e sua equipe de ladrões nos roubos que planejam. Mas após conhecer Debora (Lily James), Baby se preocupa mais do que nunca com a possibilidade de sua vida pessoal se misturar com a profissional, o que pode colocar em perigo as pessoas com as quais ele se importa.

Em Ritmo de Fuga não demora para revelar ser uma espécie de irmão de obras como Caçador de Morte (dirigido por Walter Hill em 1978) e Drive (para citar um exemplo relativamente recente), com a diferença de que aqui Edgar Wright se distancia da seriedade e da melancolia daqueles longas. Sendo assim, logo ao abrir a projeção o diretor traz uma sequência de perseguição insana e divertida que se coloca desde já entre os grandes momentos do cinema em 2017, apresentando ali as habilidades de seu protagonista, que faz coisas inacreditáveis com um carro. Mas mais do que o talento de Baby, as perseguições que pontuam a narrativa exibem a segurança de Wright como diretor de ação. Mesmo com todas as manobras feitas com os veículos, o cineasta nunca deixa o espectador desorientado em cena, conseguindo estabelecer a organização espacial sempre de maneira clara, além de injetar energia às sequências sem precisar recorrer a uma montagem repleta de cortes rápidos, o que também ajuda a manter o espectador envolvido durante a maior parte do tempo.

Tal energia também ganha auxílio da fantástica seleção musical, que se torna um elemento importante não só do protagonista, mas também da própria narrativa como um todo, inevitavelmente lembrando o que James Gunn faz em Guardiões da Galáxia. Aqui, o que é apresentado na tela entra em perfeita sincronia com canções como “Bellbottoms”, “Harlem Shuffle” e “Brighton Rock”, que embalam a trama de maneira cativante. Para completar, é impossível não citar momentos onde Edgar Wright tem sacadas técnicas e visuais inspiradíssimas, que ajudam na construção de uma narrativa ágil e divertida. Isso inclui desde o plano-sequência nos créditos iniciais até as elipses que acompanham Baby em um novo emprego, passando por raccords (cortes que mantém continuidade entre um plano e outro) como aquele em que pulamos de um copo de café para um botão de elevador ou o outro que sai de um estacionamento para um ferro velho.

Enquanto isso, apesar de ser um ator um tanto inexpressivo, Ansel Elgort revela-se um protagonista carismático o bastante para que o espectador se identifique com Baby, fazendo do personagem uma espécie de mistura do Motorista (interpretado por Ryan O’Neal em Caçador de Morte) e Scott Pilgrim, tendo as habilidades do primeiro e a vivacidade do segundo. Além disso, Elgort tem uma ótima dinâmica tanto com Lily James e quanto com CJ Jones (que interpreta Joseph, o pai adotivo e surdo de Baby), que conquistam o espectador e formam com o protagonista um núcleo emocional essencial para que nos importemos com eles. E se digo essencial é porque grandes atores como Kevin Spacey, Jamie Foxx e Jon Hamm conseguem fazer com que Doc, Bats e Buddy não sejam meras caricaturas vilanescas, se apresentando como ameaças palpáveis e gerando tensão a partir de qualquer passo em falso de Baby.

Em Ritmo de Fuga é o tipo de filme que faz o espectador sair da sala de cinema contagiado com sua energia e diversão. Somando-o aos outros belos trabalhos de Edgar Wright, o longa ainda ajuda a estabelecê-lo como um diretor cuja força criativa é cada vez mais admirável.

Thomás Boeira

Deixe uma resposta