Criticia: 2 Coelhos

Um dos comentários mais comuns que se ouve em relação a 2 Coelhos, longa do estreante Afonso Poyart, é que: “nem parece filme brasileiro”. É engraçado reparar isso porque as mesmas pessoas que falam isso são aquelas que afirmam categoricamente que filme brasileiro “só tem palavrão, violência e favela”.

E o que essas pessoas parecem não notar é que tudo esses elementos que elas tanto repudiam são vistos aqui também. A única coisa de “diferente” que Poyart fez foi reunir esses elementos “clássicos” da nossa cinematografia contemporânea, subvertê-los, adicionar referências estrangeiras e, em meio a tudo isso, criar uma narrativa concisa (ainda que um tanto exagerada) e cativante.

A trama mostra Edgar (Fernando Alves Pinto), um sujeito na casa dos 30 anos que resolve armar um plano para conseguir uma bolada de dinheiro. Tal plano envolve – de alguma maneira que não fica clara a princípio – um perigoso bandido (Marat Descartes), um advogado (Neco Vila Lobos), uma funcionária da promotoria (Alessandra Negrini) e um deputado corrupto (Roberto Marchese). A ideia é interceptar uma transação financeira feita entre essas pessoas. Para isso, o “herói” conta com a ajuda de Velinha (Thaíde), um ladrão que o havia assaltado pouco tempo antes.

O roteiro – escrito pelo próprio diretor – se influencia em longas como Jogos, Trapaças e Dois Canos Fumegantes, de Guy Ritchie, ao mostrar diversas tramas paralelas que se fundem de uma maneira absurda e divertida. Não só isso, mas o estilo visual do cineasta inglês também serviu de inspiração na concepção de 2 Coelhos: o excesso de slow motion; as cores saturadas; a apresentação dos personagens por suas características; as subtramas; o roteiro que revela pouco ao espectador – prolongando o suspense. Está tudo aqui.

Outro cineasta bastante presente é Zack Snyder (300 e Watchmen). Seu estilo “visionário” pode ser notado principalmente nas cenas de animação que se passam na cabeça de Julia (Negrini) - que, por mais que sejam belíssimas sequências, não acrescentam em nada à narrativa. E quanto a essas cenas vale lembrar que, apesar da clara semelhança com Sucker Punch – Mundo Surreal (lançado em 2011), não se trata de plágio, já que o longa nacional foi filmado no final de 2009.

Falando assim, a impressão que fica é que 2 Coelhos não tem nada de “brasileiro”, o que não é verdade. Influências e referências são comuns no cinema, principalmente no americano – o que justifica porque tantos diretores estrangeiros são chamados todos os anos pra trabalhar em Hollywood. A diferença aqui é que Poyart sabe como brincar com as suas próprias origens. Se filme nacional “só mostra favela”, Poyart também mostra. Só que quando mostra, é com personagens ouvindo “Sou Foda” e discutindo sobre Big Brother.

E assim como cada um dos exemplos citados anteriormente, 2 Coelhos também tem seus defeitos – a maioria deles relacionados aos exageros do diretor. Porém não tem como negar que se trata de um belo exemplo do gênero de ação, independente do seu país de origem.

Redação

Comente pelo Facebook

Comentários

1 comment

  1. Avatar
    hotel mahdia 20 agosto, 2012 at 07:28 Responder

    Ferry Ville : Suntravel Tunisia vous invite à visiter les plus belle villes et zones touristiques en Tunisie. Notre agence de voyage vous propose des prestations de qualité afin de répondre à vos besoins et vos envies.

Deixe uma resposta