Review: Arrow S05E15 - Fighting Fire With Fire

Em tramas baseadas em narrativa de longa duração, ou seja, que se expande por múltiplos episódios, cada evento precisa ter importância no futuro, gerando consequências. As séries do CW nunca foram muito eficientes em trabalhar a ideia de "pista/recompensa", mas com Arrow, cuja quinta temporada já figura entre as melhores da atração, esse momento chega em um episódio movimentado, cheio de reviravoltas e que se torna um dos pontos altos deste ano.

Fighting Fire With Fire é uma trama sobre causa e efeito. Como prefeito, Oliver Queen passou boa parte dos episódios fazendo acordos agressivos com prováveis opositores, para conseguir aprovar ações benéficas à população de Star City, mas que entravam em conflito direto com interesses de políticos corruptos. Ao mesmo tempo, usou a máquina pública em benefício próprio diversas vezes, mas com o aval do espectador, que também entendia ser o melhor para o momento. Livrar o Arqueiro Verde de uma eventual caçada humana pela morte acidental do Detetive Malone se torna algo compreensível, certo? Claro que, para uma autoridade pública, cujo juramento envolve seguir todas as leis, algo assim é totalmente passível de ser colocado lado a lado de qualquer crime grave de corrupção. Chega então, o momento de colher os frutos de seus atos, e eles certamente não serão doces.

É gratificante ver o seriado trazer as subtramas anteriores para mostrar como os vereadores estão ansiosos para aprovar logo um impeachment do prefeito Queen. A mentira contada sobre a morte de Malone é apenas a desculpa que a Câmara corrupta e conservadora de Star City precisava para remover do posto, o empecilho que Oliver se tornou. Dentro dessa ideia, alguma consequência precisava florescer. A série poderia abordar uma perda de mandato como resultado, mas não deixa de ser interessante ver o caminho que tomará depois do que Oliver declara: de certa forma, cometendo um auto-sacrifício, um que os fãs jamais esperariam nas temporadas anteriores. O protagonista prefere salvar, talvez pela primeira vez com tanta ênfase, sua posição "civil" ao invés de seu ofício noturno.

Essa também é uma consequência dos episódios da temporada: o Arqueiro Verde passou boa parte do quinto ano treinando e buscando parceiros que possam ajudar em sua luta contra o crime. E, aqui, há a recompensa também para essa plot secundária. Assim com o reconhecimento por parte de Oliver do quão importante o Time Arqueiro se tornou em sua cruzada.

O episódio da semana também marca o ponto em que a identidade do principal vilão do momento é revelada, trazendo um bem sucedido plot twist para os fãs de quadrinhos. O alter-ego de Prometheus já vinha sendo telegrafado há algumas semanas, assim como o do Vigilante. Agora os roteiristas terão de explicar certas pontas soltas e decisões de execução para fazer tudo se encaixar perfeitamente. Não será um trabalho fácil, do ponto de vista narrativo, mas se bem escrito, pode render outros bons momentos para a série.

O texto de Speed Weed e Ben Sokolowski consegue manter seu foco mesmo precisando trabalhar várias subtramas, isso porque consegue ligar tematicamente boa parte delas, especialmente a que envolve Felicity. A moça está passando por um momento de transformação e sua falta de empatia pode se tornar algo extremamente perigoso. É uma evolução e tanto para a personagem e em um episódio que lida com consequências, é muito significativo que suas ações parecem cavar um poço cada vez mais profundo. O mesmo pode ser dito sobre Thea, que usa a desculpa das "decisões políticas" para ter ideias, no mínimo, questionáveis para livrar seu irmão de um processe de impeachment.

Até mesmo a trama do flashback envolve uma "eleição", de certa forma, mesmo que não seja tão interessante quanto os eventos do presente. Ainda há o problema de se tratar de uma história curta demais para ser abordada ao longo de 23 episódios, o que fica muito evidente com o desaparecimento daquele que trouxe o melhor momento desses flashes do passado, e prometia salvar esse elemento narrativo já desgastado da série, o personagem de Dolph Lundgren.

Chegando como um ponto de virada para o quinto ano, Fighting Fire With Fire muda o status quo de seu protagonista, deixando o espectador com a promessa de um desfecho tão eficiente quanto tem sido acompanhar essa nova jornada do Arqueiro Verde na TV. Uma das grandes melhorias da série nessa temporada é como os roteiristas parecem mesmo ter aprendido com os erros do passado e, mesmo com o elenco tendo aumentado, há espaço para todos sem que a narrativa seja sacrificada.

Alexandre Luiz

Deixe uma resposta