Review: Preacher S03E06 – Les Enfants Du Sang

Existem algumas matérias na Internet que comentam como algumas cenas nos quadrinhos de Preacher seriam impossíveis de serem passadas para a TV em uma eventual série. Pois bem, estamos já na terceira temporada, e com uma ou duas exceções, praticamente todas as loucuras da HQ são transpostas para essa outra mídia, e até um pouco mais.O que está diferenciando ainda mais a série televisiva de sua obra original, é que ela está se levando menos a sério ainda, num tom anárquico bastante divertido. Só assim para encararmos a primeira sequência deste novo episódio, em que Eugene, fugido do Inferno, retorna à sua terra natal, percebe que ela está totalmente destruída, vai parar em um orfanato, e é “adotado” pelo Santo dos Assassinos! Não tem como não rir horrores com isso.

No restante desse episódio, a série se divide em dois núcleos bem distintos: o de Jesse e Tulipa, tentando salvar a vida da avó deste, e o de Cassidy, às voltas com o Les Enfants du Sang, uma organização “secreta”, comandada por um vampiro como ele. Ambos os núcleos são bem construídos e divertidos, com um se relacionando com o outro no final.

Destaque total para o mirabolante plano de Jesse e Tulipa para roubarem um “banco de almas”, onde o TC encontra uma maneira, digamos, “peculiar” de distrair a atenção da polícia. Insanidade pura! As cenas com Cassidy e o integrantes do Les Enfants du Sang também são muito legais, denotando a intenção de Cassidy de deixar Jesse e Tulipa para trás, e seguir em frente. E, não nos esqueçamos também dos momentos tensos envolvendo Herr Starr e o “Pai de Todos”.

No geral, a série está indo muito bem, obrigado. Os momentos tensos se intercalam com cenas verdadeiramente engraçadas de maneira muito orgânica, e percebemos uma evolução genuína de todos os personagens, que, definitivamente, estão diferentes de quando começaram essa louca jornada.

A própria adaptação da história em termos de ambientação e de roteiro é bem desenvolvida, pegando elementos que a HQ possui, mas, sem ser cópia. Na verdade, a série tem vida própria, méritos próprios, e isso em tempos onde as adaptações apenas requentam o que já existe em outra mídia, é digno de elogios.

O tipo de série que dá gosto saber o que vai acontecer no próximo episódio.

Erick Silva

Comente pelo Facebook

Comentários

Comente pelo Facebook

Comentários

Deixe uma resposta