Review: Boardwalk Empire – 3x10 A Man, A Plan…

Chegamos à reta final, e ao julgar as principais viradas no jogo, eu só posso dizer que Boardwalk Empire promete um final insano. O episódio da semana foi todo construído sobre a execução de diversos planos, alguns um tanto quanto arriscados e outros totalmente covardes, que só exaltam a ambição dos personagens. E mesmo tendo a aparição de todas as tramas que andam movendo a temporada, em nenhum momento à inserção delas soou deslocada, conferindo uma agilidade que, geralmente, se mostra inexistente na série. Se em dado momento a consolidação do tráfico de heroína causa a reviravolta final, ou a história de Richard Harrow se conecta com os fatos principais, no momento em que ele vê as garrafas de uísque perdidas por Gyp chegando à praia de Atlantic City (referência direta a abertura da série?), eu me pego sorrindo com os detalhes.

Sabendo que Masseria é o responsável pelo exército pessoal de Gyp, Nucky monta um plano para dar um fim no mafioso italiano de Nova Iorque. Sendo Owen seu agente pessoal desde a traição de Jimmy, é ele o designado a cumprir a missão. Eu achei que Margaret permaneceria ao lado de Nucky e que a promessa de fuga com Owen era só para cumprir tabela, mas ela estava decidida a partir com o irlandês e eu fiquei feliz por isso. Todos os momentos que os dois dividiram no episódio foram cheios de verdade e sentimento, e não podemos julgar a Sra. Thompson, quando foi Nucky o responsável por ela se distanciar.

A prisão de Remus levou Jess Smith à loucura completa, com o empurrão sempre sorrateiro de Gaston Means, o personagem mais perigoso da série junto com Gyp. A raposa é toda pomposa e educada, mas joga dos dois lados sem nem piscar. Conseguiu brincando US$ 40.000 de Nucky e Harry Daugherty e nem precisou sujar as mãos, já que Smith tirou a própria vida devido a pressão em cima de suas decisões. Means me lembra um Rothstein mais velho, não sei se pela sua fala compassada ou pelos sorrisos indulgentes que são de causar arrepios. Eu já disse e repito, mesmo com Gyp em seu encalço, Nucky deve se preocupar mais ainda com os acordos que faz com Means.

Falando em Rothstein, o personagem ainda amarga o prejuízo que teve na perda do carregamento em Tabor Heights e, por isso, se recusa a financiar o tráfico de heroína orquestrado por Luciano e Meyer. Os aspirantes a magnatas correm até Masseria e, para garantir a ajuda, entregam toda a operação de Nucky. As repercussões dessa traição serão sombrias, e tenho quase certeza que além de Nucky, Rothstein não vai gostar de saber que outros acordos estão sendo feitos sem o seu consentimento. Isto é, se o lucro não vier mais rápido, afinal, ambição é sobrenome desses camaradas.

Mais uma vez os caminhos de Van Alden e Capone se cruzam, e se a parceria entre o antigo agente e O´Banion já tinha se mostrado animadora, se tornar agente duplo vai colocar Van Alden no olho do furacão em Chicago. Fiquei com raiva do dono do restaurante que denunciou a venda de Aquavita, mas quando vi que ele tinha sido entregue a Capone, esqueci rapidinho da revolta. Juntar personagens promissores é sempre uma boa escolha.

A relação de Julia e Richard Harrow caminha a passos largos, e os dois formam um belo par. O clima quando eles estão em cena muda totalmente, e mais uma vez digo que nunca havia sentido essa empolgação por um casal na série. Vibrei e aplaudi com o “Chega para lá” que Harrow deu no pai de Julia, outra cena sensacional do episódio. Os momentos dos dois no píer também foram lindos (desculpem a empolgação, mas sou shipper e não escondo), com direito a um beijo que, em detrimento da deficiência dele, não pareceu bizarro em momento algum.

Boardwalk Empire sem Gyp já não é mais a mesma, e como é recorrente exaltar sua loucura em toda review, não posso deixar de fazê-lo. Uma simples mudança de tom na voz do maddog é capaz de nos deixar apreensivos, e a cena em que ele decepa a cabeça do homem com uma pá, foi de embrulhar o estômago. A violência exposta na série sempre me faz desviar o olhar, e dessa vez não foi diferente. Eu só não entendi qual foi a do comprador financiado por Nucky, já que só o atentado a Masseria ficou mais em evidência.

Quando a encomenda chegou à suíte de Nucky, eu já previa o que era. Ver o corpo de Owen ali dentro foi de cortar o coração, e a reação descontrolada de Margaret contribuiu para o momento. O fim do irlandês foi ainda mais impactante depois de vermos o flashback onde ela revela estar esperando um filho dele, triste, mas Owen sabia que o risco sempre foi o maior agravante de sua posição. Como Masseria teve a confirmação de que Nucky planejava mesmo lhe matar, é bem capaz que sua resposta seja ainda mais significativa que a explosão do Babette’s e então, Atlantic City vai virar um verdadeiro campo de guerra.

P.S.: Nunca vire as costas para Chalky White. Nucky acaba de cometer um grande erro.

Tiago Batista

Comente pelo Facebook

Comentários

Comente pelo Facebook

Comentários

1 comment

  1. Avatar
    Victor Oliveira 17 dezembro, 2012 at 00:04 Responder

    Episodio ótimo,melhor da temporada na minha opinião,mas V. s f ,logo agora que eu tava começando a gostar do owen sleater –',essa serie faz agente acompanhar a evolução do personagem até gostar dele e depois mata –',mesma coisa com o james darmody,curtia pra caramba o personagem e mataram.

Deixe uma resposta