Minicast Mr. Robot S02E07

Mr-Robot-S01E07-cores

Quem acompanha os podcasts dessa segunda temporada de Mr. Robot não se surpreendeu com a "grande revelação" deste sétimo episódio. Na verdade, quem está assistindo a série prestando o mínimo de atenção também não se surpreendeu. Mas e nossa equipe? Alexandre Luiz, Davi Garcia e Allan Veríssimo falam tudo sobre o episódio e aproveitam pra discutir os erros e os acertos de Sam Esmail até aqui. Ouça já e comente abaixo: você concorda com as opiniões do podcast?

Links do Podcast

Links Cine Alerta

Assine nosso feed:

Contato:

Mandem seus e-mails para [email protected], ou comente no post logo abaixo!

Redação

Comente pelo Facebook

Comentários

Comente pelo Facebook

Comentários

3 comments

  1. Avatar
    Leandro Guimarães 23 agosto, 2016 at 07:32 Responder

    uma coisa é certa, achei desnecessario estender a fantasia protetora que o Eliot construiu para si proprio por longos 7 episodios. O Sam Esmail poderia feito isso em 3, na melhor das hipoteses, ou mesmo em 4; essa opcao a meu ver enfraqueceu um pouco a estoria na segunda temporada, mas torco para que o Esmail conserte tudo isso nos 5 episodios restantes. Nao contesto o plot twist, contesto ter que usar mais da metade dos capitulos da temporada para chegar a isso.

    sabendo que o Eliot é o assassino do Tyrell, agora excluimos toda e qualquer possibilidade de ele ter matado o Romero, o que pode ser obra do chines ao qual o sisco tem que se reportar. Alias, a Darlene é a maior falha de seguranca da FSociety, se formos raciocinar; tem esse “namorado” (o sisco, que ta mais para mero komedor dela que qualquer outra coisa) que em tese serve como contato entre o Dark Army e a propria FSociety, mas que espiona o grupo sem ela imaginar. Alem da Darlene, vejo no hacker gordao a outra grande falha de seguranca da FSociety, por ambos serem excessivamente autoconfiantes e considerarem que estao livres de qualquer perigo em suas acoes. Ja o Eliot, a muculmana (e até o falecido Romero) se mostram mais preocupados nao só com a sua seguranca digital, mas com sua seguranca fisica no que tange a serem pegos pelo F.B.I ou alguma agencia de inteligencia americana, ou serem assassinados a mando de Whiterose, algo que eles nao tem nem ideia de seja possivel, mas com o Ministerio de Seguranca Estatal da China sendo parte de toda essa situacao, sempre é uma possibilidade. A Darlene se acha invulneravel, mas pra hackear o F.B.I apelou para a Angela Moss, que a depender do correr dos acontecimentos, pode muito bem entregar a FSociety, ja que vimos que ela nao resiste muito bem a pressao.

    agora que a Joanna entrou com a papelada do divorcio, vamos como o roteiro dela vai se desenrolar; tenho grande curiosidade em saber o que vai acontecer com ela, mesmo caso da Krista. Pode ser que a psiquiatra (ou ambas) venha a ter um papel um pouco mais importante no desenvolvimento da trama. E espero que, de algum modo, a agente Dominique venha a tropecar de alguma maneira, em algum dos podres do Phillip Price..

  2. Avatar
    Leandro Guimarães 23 agosto, 2016 at 07:32 Responder

    uma coisa é certa, achei desnecessario estender a fantasia protetora que o Eliot construiu para si proprio por longos 7 episodios. O Sam Esmail poderia feito isso em 3, na melhor das hipoteses, ou mesmo em 4; essa opcao a meu ver enfraqueceu um pouco a estoria na segunda temporada, mas torco para que o Esmail conserte tudo isso nos 5 episodios restantes. Nao contesto o plot twist, contesto ter que usar mais da metade dos capitulos da temporada para chegar a isso.
    sabendo que o Eliot é o assassino do Tyrell, agora excluimos toda e qualquer possibilidade de ele ter matado o Romero, o que pode ser obra do chines ao qual o sisco tem que se reportar. Alias, a Darlene é a maior falha de seguranca da FSociety, se formos raciocinar; tem esse “namorado” (o sisco, que ta mais para mero komedor dela que qualquer outra coisa) que em tese serve como contato entre o Dark Army e a propria FSociety, mas que espiona o grupo sem ela imaginar. Alem da Darlene, vejo no hacker gordao a outra grande falha de seguranca da FSociety, por ambos serem excessivamente autoconfiantes e considerarem que estao livres de qualquer perigo em suas acoes. Ja o Eliot, a muculmana (e até o falecido Romero) se mostram mais preocupados nao só com a sua seguranca digital, mas com sua seguranca fisica no que tange a serem pegos pelo F.B.I ou alguma agencia de inteligencia americana, ou serem assassinados a mando de Whiterose, algo que eles nao tem nem ideia de seja possivel, mas com o Ministerio de Seguranca Estatal da China sendo parte de toda essa situacao, sempre é uma possibilidade. A Darlene se acha invulneravel, mas pra hackear o F.B.I apelou para a Angela Moss, que a depender do correr dos acontecimentos, pode muito bem entregar a FSociety, ja que vimos que ela nao resiste muito bem a pressao.
    agora que a Joanna entrou com a papelada do divorcio, vamos como o roteiro dela vai se desenrolar; tenho grande curiosidade em saber o que vai acontecer com ela, mesmo caso da Krista. Pode ser que a psiquiatra (ou ambas) venha a ter um papel um pouco mais importante no desenvolvimento da trama. E espero que, de algum modo, a agente Dominique venha a tropecar de alguma maneira, em algum dos podres do Phillip Price.

  3. Avatar
    César 23 agosto, 2016 at 19:45 Responder

    Eu curti a realidade mascarada do Elliot durante os episódios, tinham brincadeiras legais na direção e no cenário, por isso nem trato como um "plot twist", mas mais como um desenvolvimento do personagem, que acabou de reatar os laços com o Mr. Robot (o handshake) e se sentiu confortável o bastante para revelar a ilusão para nós. Desde o início da temporada, ele anuncia que está escondendo algo e todo o cenário misterioso é de se desconfiar, daí que realmente não existe nenhuma grande surpresa.

    Sempre gostei do recurso do narrador traiçoeiro e a série casa isso com a psique do protagonista, além do que eu achei que a revelação ficou muito foda, com os cenários se misturando! Outra coisa é que, como ele próprio diz, tudo que ele passou aconteceu sim, as relações dele com os outros personagens da prisão não mudam em nada.

    Dito isso, eu entendo quem tenha se frustrado com a demora da descoberta, o arco do Elliot foi bem estendido, além de ser um núcleo isolado, mas era preciso chegar naquele ponto em que ele se entende com seu alterego. Não me incomodei tanto pois estava curtindo aquelas loucuras dos primeiros episódios e sabia que as respostas teriam que vir.

    Agora, eu só espero que revelem alguns pontos cruciais (ex: como ele foi preso, o Ray) e a história mova adiante, seria legal deixar algumas coisas sobre a prisão pra nós mesmos inferirmos. Ah, sobre o Ray, li por aí que ele estaria mais pra assistente social da prisão, tendo em vista a "cãoterapia", o jogo de xadrez e como ele diz que achou que ele iria ajudar o Elliot.

Deixe uma resposta