Crítica: Argo

Argo, longa dirigido por Ben Affleck que estréia neste final de semana, conta a absurda história de como uma idéia ruim (a melhor de todas as idéias ruins, de acordo com um dos personagens) foi responsável por salvar seis funcionários da Embaixada norte-americana no Irã, refugiados na casa do diplomata Canadense após uma revolta promovida pelo aiatolá Khomeine. O mais interessante é que se trata de uma trama verídica. Mas, Argo também é um filme sobre filmes. Quando Tony Mendez (Affleck) resolve que a única forma de tirar os refugiados do país é fazê-los se passar por uma equipe de produção de um longa-metragem, a trama aproveita para fazer comentários sobre o sistema da indústria de Hollywood, apaixonados e críticos. O novo filme de Ben Affleck, portanto, são duas obras em uma. E são duas ótimas obras.

Quando focada na tensão vivida no Irã, Argo assume características de thrillers como os dirigidos por John Frankenheimer. Sim, o diretor é bom a ponto de poder ser comparado a um dos grandes nomes da sétima arte. Seu controle da situação é total e as cenas envolvendo a invasão da Embaixada americana logo no início da projeção já ditam muito do ritmo e de como o filme se esforçará (de forma bem-sucedida) para convencer o espectador de que tudo aquilo aconteceu de fato. Unindo imagens de arquivo, fica difícil distinguir o que é real e o que foi reconstituído. Affleck também se beneficia da eficiência de seu montador, William Goldenberg, que com transições impecáveis entre uma cena e outra, torna a narrativa extremamente fluida. O raccord entre os momentos é de uma beleza cinematográfica ímpar.

Para aliviar todo o drama, as sequências envolvendo a preparação para colocar o plano em prática seguem um ritmo mais próximo ao do que Steven Soderbergh fez com sua trilogia Onze Homens e Um Segredo, sem as piadas internas e as situações surreais, mas com humor suficiente para o espectador se sentir um pouco aliviado, mesmo que a todo o momento o filme o lembre da tensa situação no oriente-médio através de flashes de telejornais da época, outro ótimo recurso narrativo para contextualizar a história e afirmar sua veracidade. Com o auxílio de um elenco de apoio que conta com John Goodman, Alan Arkin e Bryan Cranston, não é surpresa tudo correr tão bem. Goodman vive John Chambers, o lendário maquiador responsável pelos símios de O Planeta dos Macacos e pelas orelhas do Sr. Spock na série original de Star Trek. O ator traz todo seu carisma à tona principalmente quando divide a tela com Arkin, na pele de um produtor de Hollywood. As cenas em que ambos tentam explicar para o protagonista como a indústria funciona são hilárias, principalmente na visão dos fãs de cinema.

E os cinéfilos com certeza irão adorar saber que o filme falso usado como disfarce para a operação de resgate, o Argo do título, é uma daquelas produções que surgiram após Star Wars, tentando capitalizar com o sucesso da saga espacial. É aí que o filme de Affleck faz seus comentários mais relevantes. Em uma cena, um dos refugiados, já disfarçado como parte da equipe de filmagem, tenta explicar para um soldado iraniano sobre o que se trata a falsa ficção científica que seria rodada naquele país. E quando é notável a fascinação de outros dois guardas pelo tema, através da inflamada demonstração do personagem, que inclui efeitos sonoros feitos pela boca e exibição de storyboards, fica claro como histórias sobre heroísmo são universais. E como o ocidente sabe aproveitar isso rompendo barreiras religiosas ou ideológicas. O impacto cultural dessas produções também é retomado no último momento do longa, quando caracteres surgem na tela para explicar o que aconteceu com Mendez e os outros personagens.

Sem cair na armadilha de parecer um produto do “imperialismo norte-americano”, Argo também alfineta decisões do governo e falta de senso dos próprios funcionários da embaixada que, seguros de que o povo do Irã nunca ivadiria o lugar, usavam um quadro de Khomeine como alvo para dardos.

Mas o que importa mesmo é a competência de Affleck, que só cresceu como cineasta e tem entregado um filme sempre melhor que o anterior. Dirigido por si mesmo, o ator até convence mais do que o normal e, mesmo canastrão, não faz feio como personagem central. Argo é uma das gratas surpresas do ano, competente demais em suas ambições e digno dos elogios que vem acumulando desde sua estréia nos EUA. Contando com a mais absurda das histórias, fascina o espectador da mesma forma que a ficção científica encanta os guardas iranianos citados anteriormente. Não por ser um produto ocidental para as massas, mas porque todo mundo gosta de uma boa trama heróica.

Alexandre Luiz

Comente pelo Facebook

Comentários

Comente pelo Facebook

Comentários

Deixe uma resposta