Crítica: Ilha do Medo

Tinha tudo para ser um grande filme. E realmente é. Ilha do Medo, dirigido pelo reconhecido Martin Scorsese (o mesmo de Gangues deNova York, O Aviador e Os Infiltrados) extrapola os filmes comuns pela sua capacidade de fazer o espectador se confundir na trama, ligar fatos ou por gerar diversas conclusões em seu desfecho.

Como assim? Explicarei com calma. Notavelmente, o roteiro é um dos mais imponentes do ano, pois necessita que o espectador entre de fato no contexto para tentar entender a ideia dos roteiristas: é um filme psicológico, conceito muito pouco utilizado atualmente.

O suspense começa com Edward Daniels (vivencido pelo ótimo Leonardo DiCaprio, que vem de uma linha de belas produções como Os Infiltrados e Apenas um Sonho) que chega à chamada Shutter Island, afim de desvendar a fuga de Rachel Solando - uma das prisioneiros da ilha, que abriga apenas assassinos com problemas psicológicos. Porém, a complicada comunicação com os administradores do local e a ocorrência de um furacão que destroe toda a segurança da ilha, deixa o ambiente ainda mais perigoso.

Em meio a devaneios curiosos, a produção se desenrola de uma forma incrível, com ótimos takes e uma trilha-sonora muito bem trabalhada. A dramaticidade só acaba na última cena, quando o fechamento do filme fica aberto para que você tire o seu entendimento. Pouquíssimas produções que já vi deixam você dessa forma, o que torna Ilha do Medo marcante e reflexivo.

Desde Gangues de Nova York, fita de 2002 que concorreu a 10 Oscars, Scorsese tem se firmado como um dos nomes mais influentes cinematograficamente - é lógico que toda a sua carreira é fantástica, mas vale ressaltar que todos os seus últimos filmes estiveram presentes na maior festa do cinema mundial. O diretor possui uma forma muito perspicaz de conduzir suas produções, mas Ilha do Medo é uma verdadeira excessão, pois o lado psicológico fala mais alto - ao contrário de todos os seus trabalhos anteriores.

Não há muito mais o que dizer. De fato, uma experiência cinematográfica única, que vale a pena também pelo belo trabalho de DiCaprio, Mark Ruffalo e Ben Kingsley e por mexer com os neurônios do espectador a cada cena. Impressionante, Ilha do Medo é empolgante, questionador e bem trabalhado tecnicamente. Isso sem falar no desfecho inesperado - enfim, um suspense muito bem embasado.

ILHA DO MEDO

EUA. 2010.

Estrelado por: Leonardo DiCaprio, Mark Ruffalo, Ben Kingsley, Jackie Earle Haley e Michelle Williams.

Dirigido por: Martin Scorsese

NOTA: 9,0

Por: Júlio Boll - Criticando Cinema (http://www.criticandocinema.wordpress.com/

Comente pelo Facebook

Comentários

Deixe uma resposta