Minicast The Following S01E10 - #ADEUSTHEFOLLOWING

#ADEUSTHEFOLLOWING

Finalmente chegamos ao episódio de 10, onde damos o nosso adeus a The Following, série que acabou decepcionando nossa equipe, e grande parte de nosso público.

Aperte play, e venha ouvir o último programa do Cine Alerta dedicado a essa série, com os comentários de  Tiago LamonicaAlexandre LuizWarley Bonanno .

Links do Podcast

Links Cine Alerta

Assine nosso feed:

Contato:

Mandem seus e-mails para [email protected], ou comente no post logo abaixo!

Redação

Comente pelo Facebook

Comentários

6 comments

  1. Avatar
    Gabriel Cavedon 30 março, 2013 at 13:46 Responder

    já vai tarde the following, que venha game of thrones… e por falar em game of thrones vcs deviam tentar fazer uma parceria com o pessoal do gameofthronesbr para divulgar o podcast lá, eles divulgavam o masmorracast na temporada passada mas essa temporada não vai ter masmorracast de game of thrones episódio por episódio eles vão fazer só um no final então acho que seria uma boa para dar uma visibilidade maior para o de vocês

  2. Avatar
    Priscilla 2 abril, 2013 at 12:10 Responder

    Tristeza ao seguir o cortejo do fim deste podcast, que melhorava em muito o prazer de assistir a série. Como sou brasileira, e não desisto O.o vamos acompanhar até o fim de temporada … Devo dizer que as imagens que o pessoal da legenda tem usado no legendas.tv para a série (baseadas no Twitter, lógico !) estão ótimas 😉
    Aguardando o minicast de GoT – Mas, como fã dos livros, com medo do que vão aprontar os produtores com a saga 🙂

  3. Avatar
    Renata 11 abril, 2013 at 05:08 Responder

    Escutei esse e o do episódio nove. Muito legal o podcast.
    Olha, quanto ao receio de venham a tentar criar uma certa simpatia do público para com o vilão, Joe Carrol, não há com o que se preocupar. Não é um pai tentando criar laços de amor paterno genuíno com seu filho; mas um serial killer que, por motivos obscuros – de conhecimento, pelo que se pode deduzir até agora, apenas do próprio carrol -, deseja conquistar a confiança de um garoto como parte de seu plano.

    Pessoalmente, é bem chato reconhecer o "fracasso" dessa série diante de todo o potencial que se tem – belo elenco, o próprio williamson, e o tanto que se poderia explorar do psicológico dos personagens, por exemplo.

    O que parece é que optaram pelo desenrolar lento, onde as coisas vão sendo revelados ao espectador à medida em que vão sendo descobertas pelo FBI, e, paralelo a isso, o efeito de tais descobertas nos personagens: fantasmas do passado voltam para assombrá-los, pode-se dizer. O grande problema é que, seguindo por esse caminho, em vez de um enredo consistente, o espectador se depara com uma série de "erros". Os bons momentos acabam espalhados, aqui e ali, perdidos nesse mar de equívocos, e são ofuscados por eles.

    Não sei se alguém chegou a assistir aos dois últimos episódios, mas desta vez coisas interessantes aconteceram. [spoiler] Um dos pontos interessantes é exatamente a evolução de algumas das personagens, mais precisamente os Jacob e Roderick. A evolução de Jacob se dá à medida em que seu "lado assassino" se desenvolve. Quanto ao Roderick, seus traços vão sendo revelados à medida em que sua relação com o líder da seita é também revelada – vemos como Joe reage ao mínimo sinal de insubordinação por parte de seu "braço direito": partindo para a agressão física. Mas antes disso, naquela cena em que vince vai até ele [Roderick] dizer que tem uma entrega a fazer; armas são apontadas e o confronto termina com o rapaz criado em uma milícia dizendo que queria "apenas fazer amigos" ao que Roderick ri de uma maneira histérica. Minutos depois, o riso cessa, e ele desconta no primeiro que viu pela frente. Isso sem falar sobre o que é revelado sobre o próprio anti herói da série, Ryan Hardy.
    Outro ponto interessante é a descoberta do "campo de treinamento" dos membros da seita. Os momentos de condicionamento e doutrinação (torturaas, por exemplo), os escritos na parede. O elemento que faltava para a credibilidade dessa história de culto: a "mensagem de carrol", ou seja, a salvação no pós-vida, elementos roubados de outras religiões…

    A série deve dar mais enfoca para coisas como essa: o aspecto doentio da psicologia de culto, a obsessão de Joe e até onde ele está disposto a se arriscar, os dilemas mais sombrios de Ryan – não aquele melodrama de sua relação com a Claire. O FBI precisa começar a se mostrar mais competente, e com um esforço o enredo pode ganhar certa consistência.

    De qualquer forma, é por conta desse "potencial" que continuarei assistindo (ao menos até o fim da temporada, que já está aí).

  4. Avatar
    rodnei oliveira 1 maio, 2013 at 11:34 Responder

    eu parei qdo ele fugiu da prissão, no ep 7…

    NEVERMORE

    Obs.: conheci o site procurando podcast de de games of thrones!!!
    começarei a ouvir agora…

Deixe uma resposta