Review: American Horror Story: Coven – 3x13 The Seven Wonders (Season Finale)

Supremacia de equívocos. É meus caros, e chega ao fim a mais conturbada temporada de American Horror Story (problemática, porém não ruim, como muitos decidiram taxar), que apesar dos pesares, não deixou de ser um entretenimento de qualidade nos últimos meses. Qualidade está fruto da entrega sempre pontual do elenco feminino, que encheu nossos olhos nos emocionou e defendeu brilhantemente o por várias vezes errático roteiro da antologia. Coven entrou na linha do “ame ou odeie”, mas até amá-la ficou difícil desde o retorno em janeiro. Claro que eu não esperava uma catártica finale como a de Asylum, portanto fui para The Seven Wonders de coração aberto e o curioso, é que o desfecho de Coven foi um retrato fiel de toda a estrutura deste terceiro ano: começou deslumbrando, derrapou feio no segundo tempo e tacou um último take imagético, mas apenas com o feito do “ah tá, era só isto, OK então”.

Mais uma vez eu reforço que o sucesso de AHS é fruto da liberdade criativa dada pelo CEO do FX para Ryan Murphy e sua trupe. Se o filme mudo explicando as Sete Maravilhas no episódio passado, encantou pela inventividade, Stevie Nicks cantando o seu clássico Seven Wonders como uma abertura para os testes que trariam a ascensão da nova Suprema, surtiu o mesmo efeito. A frieza da Academia dando lugar à luz de um novo amanhecer enquanto as garotas mostravam suas verdadeiras poses, são dos momentos poéticos que me fazem querer defender Coven para sempre, mas infelizmente, a finale não segue bem a sequência de abertura.

Sempre é bom pedir uma salva de palmas para Frances Conroy, não é mesmo? Eu já falei aqui inúmeras vezes sobre o quanto sua Myrtle Snow foi importante para Coven, mas é a sua condução do teste das Sete Maravilhas (e a posterior cena emocional, quase ao fim do episódio), que a carimba definitivamente como um dos emblemas deste ano, me diverti demais com os sonoros e arrastados discursos de Myrtle durante as tarefas, e também com o ar entediado diante das mais comuns. Ao mesmo tempo, eu sofri com o macabro fim de Misty, mas para ser sincero, foi a única decisão corajosa e realmente profunda de toda a finale. A mais inocente das bruxas, condenada a um inferno necromântico de causar arrepios reforçando o fato de que no fim, o dom de Misty mesmo sendo tão bonito na execução, continuava representando o maldito.

Depois do excelente ritmo imprimido no primeiro ato de The Seven Wonders, os equívocos começaram. Foi meio babaca a forma como Zoe “morre” no teste de transmutação, mas nem vou reclamar desta parte, pois a execução da cena estava excelente. É no fim de Madison e na chegada de Cordelia ao posto de Suprema, que eu descarrego meu desgosto com o fim de Coven. Sério, sério mesmo que Madison se deixou ser estrangulada por Kyle? Cadê a telecinese (seu dom mais poderoso)? Cadê a transmutação (teletransporte ali seria ideal)? Patético e preguiçoso o fim da jovem witch bitch. Nem acho mais legal terem copiado homenageado Frankenstein, pois no fim tudo pareceu ser feito nas coxas para trazer Evan Peters de volta ao elenco.

Não me entendam mal, Delia como Suprema foi simplesmente encantador – Sarah Paulson é linda, mas fizeram algo mais na aparência da atriz que impressionou de verdade –, porém quanto a realização, eu já não posso dizer o mesmo. Vem cá, alguém mais se lembra do pequeno problema de fertilidade que Delia tinha lá no começo de Coven? Se não, estejam lembrados. Então, acontece que uma das regras para ser a nova Suprema, é ter a “saúde radiante”, logo, Delia já estaria automaticamente descartada, mas não foi isto que aconteceu. Pode sim parecer uma cobrança boba, mas é um furo meio grotesco na mitologia da série e eu fiquei com essa ideia martelando durante todos os minutos finais.

Depois disto, tive de aproveitar o desfecho de Coven meio acabrunhado e com uns sorrisos amarelos. Claro, fiquei tocado com a despedida de Myrtle – agora sim, uma boa retomada da mitologia – e hipnotizado com a Suprema Cordelia se revelando ao mundo, mas infelizmente o verdadeiro último suspiro de Fiona, que deveria ser melhor ou tão bom quanto às duas cenas citadas, veio como outro banho incômodo de água fria. Teve tantas idas e vindas à relação de mãe e filha, que aquela conversa final, mais pareceu um repeteco do que vimos umas três ou quatro vezes antes. Fiona no seu inferno então, outro momento dispensável. O que salva mesmo é o semblante supremo de uma triunfante Cordelia refletindo meu estado de espírito, não de felicidade pelo conjunto da obra, mas sim de conforto pelo fim da mesma. Triste, porém impossível de não se admitir.

P.S.: Percebam que a ênfase que eu dei no destaque ao elenco feminino, é justificada por todos os insípidos protagonistas masculinos de Coven.

P.S.2:BALENCIAGA!”. Myrtle e sua última palavra na fogueira: divertida, de arrepiar e com toda certeza uma dica para o próximo ano.

P.S.3: Sim, década de 50, auge do comunismo e o glamour do mundo da moda (Myrtle fez inúmeros discursos evocando estilistas nos últimos episódios). Dá para tirar um excelente enredo daí.

P.S.4: Obrigado pela audiência e até o próximo ano de American Horror Story. Que ela volte a fazer jus a sua marca.

Comente pelo Facebook

Comentários

Comente pelo Facebook

Comentários

5 comments

  1. Avatar
    Tainan 17 fevereiro, 2014 at 12:18 Responder

    Demorei, mas cá estou! " Supremacia de equívocos" nenhuma frase descreveria melhor todo esse final grotesco. Você bem nos fez lembrar sobre a falta de fertilidade de Delia, seria bom que a equipe que faz AHS também lembrasse disso, um erro tão bobo. Além da " morte" estúpida de Zoe e do assassinato sem noção de Madson, teve outro detalhe que me deixou chocada. Como assim a boneca vodoo não conseguiu ressuscitar ,a tão recente falecida Zoe, mesmo tendo ressuscitado a Misty quase em decomposição? Ok que eles cometam seus errinhos, mas aí já foi subestimar a inteligência dos seus telespectadores. No mais, foi bem isso de “ah tá, era só isto, OK então”. Até a próxima, ficamos no aguardo de um AHS de tirar o fôlego e sem esses altos e baixos de qualidade. 😉

  2. Avatar
    Zé Guilherme 17 fevereiro, 2014 at 12:59 Responder

    A gente foi forte viu Tainan para conseguir engolir tanto furo! ahahahahahahahahaha A única coisa que alegra, é o fato de ter acabado. Que não tenhamos mais nada parecido com Coven em AHS de agora em diante… vamos torcer por isto.

    P.S.: Tava esperando seu comentário!! Obrigado pela companhia até aqui! \o

    • Avatar
      Zé Guilherme 20 fevereiro, 2014 at 00:18 Responder

      Tenho vontade de escrever sobre Game of Thrones, só me falta tempo! ahahahahahahaha Mas vou participar de alguns minicasts por aqui hein?! =D

Deixe uma resposta