Review: Arrow S03E09 - The Climb

O texto abaixo contém spoilers. Recomendável assistir ao episódio antes de ler!

The Climb"O que foi isso que acabou de acontecer?" Se você é um espectador regular de Arrow e conhece os personagens apenas pela série ou pelos filmes em que foram previamente adaptados, provavelmente essa foi sua reação ao terminar de assistir The Climb, último episódio antes do hiato de mais de um mês pelo qual o programa passará. Os fãs de quadrinhos provavelmente foram surpreendidos também, mesmo fazendo alguma ideia do que irá acontecer em seguida. Isso porque Arrow tomou um caminho tão corajoso quanto aquele iniciado pela estreia da temporada.

A trama da semana mostra Nyssa retornando a Starling para dar a Oliver um ultimato: ou ele entrega o assassino de Sara em 48 horas ou Ra's Al Ghul irá liberar sua fúria sobre a cidade. Apesar de ser uma estranha motivação, levando em conta a primeira aparição do vilão, na qual sua rixa com o Arqueiro se iniciava pela decisão do segundo em proteger Malcolm Merlyn (Ra's chega a dizer que Sara nunca foi realmente membro da Liga dos Assassinos), a ideia funciona como catalisadora para finalmente ser revelada a identidade do algoz da Canário. Infelizmente nesse quesito, o episódio não consegue soar muito convincente e traz uma solução mirabolante para justificar Thea como a assassina e coloca a irmã de Oliver em um caminho muito semelhante ao de Roy na temporada passada. Por outro lado, a subtrama se conecta com fatos mostrados no flashback semanal, então talvez seja uma questão de tempo até tudo fazer um pouco mais de sentido. A explicação do porquê Merlyn usar a própria filha para colocar em movimento um elaborado plano contra Al Ghul também soa forçada, mesmo que o personagem de John Barrowman já tenha se mostrado um grande estrategista em outras ocasiões.

O que importa, no entanto, é que Oliver jamais conseguiria aceitar a ideia da irmã ter se tornado uma assassina, mesmo que controlada por Merlyn, e resolve assumir a culpa, desafiando Ra's para um combate mortal. Usando um interessante recurso na montagem, que inclui takes da "escalada" do título entre as ações que levam o protagonista até a montanha, o episódio aumenta o suspense de forma metafórica e literal. Assim, quando o espectador finalmente pode conferir a chegada do personagem ao local do duelo, a expectativa é grande. Tecnicamente, o programa não desaponta, mostrando uma luta intensa e bem coreografada sem nenhum acompanhamento musical ou interrupções com as reações dos coadjuvantes presentes. Quando tudo parece perdido, Oliver dá a volta por cima apenas para novamente ser dominado na batalha e encarar um destino sombrio. O que acontecerá com a série quando ela retornar em janeiro?

Em um dos diálogos com Ra's, interpretado com muita convicção por Matt Nable, um ator que nada tem a ver com o vilão dos quadrinhos, mas que convence pela impostação de voz e linguagem corporal, o roteiro dá uma importante dica sobre a existência do Poço de Lázaro, o local que sua contraparte de papel utiliza para repor energias, rejuvenescer e muitas vezes ressuscitar. Quando Malcolm retornou na segunda temporada, também houve uma dica sobre isso, mas agora parece ser oficial: no universo do seriado, esse elemento da mitologia da DC Comics existe. E não será de admirar que no futuro revelem ligações com a fórmula Mirakuru, um composto que pode ser tanto uma tentativa de replicar os efeitos do Poço ou uma forma modificada do líquido emanado por ele. Sendo assim, não fica difícil imaginar qual o próximo passo na jornada de Oliver. No entanto, a série já se mostrou corajosa em outras ocasiões e seria imensamente interessante se não desse uma resolução logo no retorno dos episódios inéditos. É importante ressaltar que a partir daqui é tudo especulação, mas um recurso narrativo a ser considerado seria o programa lidar com o Arqueiro como se ele tivesse realmente perecido e, ao menos por uns 3 ou 4 episódios, deixar os personagens e Starling City enfrentarem a "perda" do herói. Traria ainda mais força ao seu retorno. Para o espectador, flashes da recuperação de Oliver após sua imersão no Poço de Lázaro poderiam funcionar também como parte do arco dramático do protagonista, lembrando até mesmo a de Bruce Wayne em Batman - O Cavaleiro das Trevas Ressurge, até porque, se os roteiristas se mantiverem fiéis, todo personagem que passa pelos efeitos do local místico enfrentam um período de insanidade (mais um ponto que levaria à uma conexão com a fórmula Mirakuru). Qualquer que sejam os passos tomados daqui para frente, dificilmente serão os mais fáceis.

The Climb

The Climb também desenvolve várias subtramas, dando ênfase para a futura aparição de dois heróis: Eléktron e a nova Canário. A interação entre Ray e Felicity dá grandes passos, mostrando que o cientista bilionário tem planos muito semelhantes aos que Oliver tinha para a moça, mas sem esconder seus sentimentos por ela. Roy, novamente, não tem muito o que fazer, servindo apenas para marcar presença em algumas cenas. No entanto, dependendo de como a série lidará com a "morte" de seu protagonista, Arsenal deve ganhar mais destaque: será que ele assumirá o manto verde?

Deixando essas questões em aberto e finalizando com um gancho angustiante (aliás, uma das marcas do seriado), Arrow exibe um de seus melhores momentos até aqui e com certeza um dos mais significativos desta temporada, morna até então. Mas tudo parece ser parte de um plano bem elaborado dos realizadores que finalmente passará a ficar mais claro a partir de janeiro. A espera até lá, no entanto, não poderia ser mais longa.

Alexandre Luiz

Comente pelo Facebook

Comentários

1 comment

  1. Avatar
    Mariana Lima 11 dezembro, 2014 at 21:27 Responder

    Eu nunca li nada dos quadrinhos e o meu primeiro contato com o Arqueiro esta sendo com a série. Acabei de assistir ao episódio e ainda estou chocada! Nos quinze minutos finais eu estava com a sensação que o Oliver iria se dar mal, mas nunca imaginei que seria da forma que foi. Durante a luta, eu só pensava naquele episódio em que o Sherlock pula do prédio e torcia pra estar errada e não ter que sofrer novamente com a morte de um protagonista querido novamente. Pra quem sofreu com um ano de espera, um mês fica fácil! rsrsrsrs Mentira, estou sofrendo desde já!
    Adorei a review! Acho que você consegue dosar bem as informações dos quadrinhos sem estragar a série para quem nunca leu.

Deixe uma resposta