Review: Spartacus: War of the Damned – 3x05 Blood Brothers

O abismo fica mais profundo. Eu acho que sobriedade poderia ser um dos melhores adjetivos para descrever mais um episódio sensacional dessa última temporada de Spartacus. Já conhecemos esses rebeldes há tanto tempo que não é surpresa nenhuma ver o que parecia ser uma quebra definitiva entre os dois grandes nomes da série, ser colocada de lado frente ao maior e mais poderoso inimigo enfrentado pelos escravos. E se Spartacus mostrou a Crixus toda a sua força como um líder ao arquitetar um plano aparentemente infalível, Crassus só veio provar que bebe da mesma água que o líder da rebelião, quando o assunto é estratégia.

Foi incrível a forma como fomos despistados dos reais propósitos de Spartacus em chegar até a Sicília no navio de Heracleo. Por um momento eu pensei em descuido, afinal a sede de vingança no olhar magoado de Crixus estava assustadora e deixar Sinuessa só sobre o comando de Agron poderia botar tudo a perder, já que Caesar continuou maquinando por trás da figura de Nemetes. Claro que o trácio sabia o que estava fazendo. E foi bem com esse jogo de blefes que Spartacus levou Laeta, Crixus e o próprio Caesar a acreditar que a sua condescendência era fruto de mais uma prova do homem de honra que vimos desde o saque à cidade romana.

Porém Crassus pensa exatamente igual ao seu inimigo. Para Spartacus, os prisioneiros romanos, mais precisamente Laeta, seria a chance de direcionar o “imperador” direto para Sicília, lá ele e Crixus conseguiriam emboscar todo o exército da república. Se o nome de Heracleo não tivesse sido mencionado, Crassus até cairia no golpe, mas negócios com piratas são bem voláteis e nem deve ter custado caro para o homem mais rico de Roma, comprar a arma secreta do seu inimigo.

Ainda sobre Crassus, já deu para perceber que a tragédia da vez (todas as temporadas da série tiveram uma) vai ficar por parte de Tiberius e Kore. Mesmo sem muitas explicações, tenho quase certeza de que a escrava é mãe do garoto e a reação dela diante do estupro confirmou ainda mais as minhas suspeitas. Tiberius esteve bem ainda que eu não simpatize muito com ele, é esperar a repercussão da vingança contra o pai.

Quando Spartacus achou que o seu plano seria posto em prática, as legiões romanas chegam direto de onde ele menos esperava. A sequência de ação que encerrou o episódio, mais uma vez foi valorizada por toda a tensão criada. É quase impossível não temer pela vida dos personagens queridos e até Crixus caiu no meu gosto novamente depois do retorno heroico ao cais de Sinuessa.

As lembranças da época no ludus de Batiatus reforçou o laço daqueles irmãos de guerra e sangue. Não precisou de pedidos de desculpas, reforços de pontos de vistas ou algo do tipo. O calor da batalha foi o suficiente para Spartacus e Crixus darem as mãos contra a legião bestial de romanos que se aproxima do seu novo refúgio. A frase final dita por Caesar não poderia ter vindo em melhor hora. Correr deve ser a única saída, mas para onde?

Comente pelo Facebook

Comentários

Deixe uma resposta