O que aconteceu com Francis Ford Coppola?

Claude Kerven faz parte da diretoria do Department of Filmmaking na New York Film Academy. Já dirigiu mais de 25 curtas para o Saturday Night Live. Foi diretor do Afterschool Specials, Birthday Boy, Candy Store, e do David Brenner Show. Além disso, foi co-roteirista do filme Pensamentos Mortais com Bruce Willis, Demi Moore e Harvey Keitel.

Em 2012 O Poderoso Chefão completou 40 anos. Não sei se você assistiu mas o canal AMC o exibiu várias vezes durante a semana de seu aniversário. E assistir a trilogia novamente, me fez pensar...

O que aconteceu com Francis Ford Coppola?

O Poderoso Chefão foi uma influência gigantesca. Quer dizer, todo mundo foi ver. Eu me lembro de ter um amigo que trabalhava em um cinema e dava um jeito de me colocar pra dentro sorrateiramente pra assisti-lo. Não importava que parte do filme que eu pegava, sempre assistia até o final. Às vezes eu até ficava para assistir ao início da próxima exibição. Costumávamos nos referir à ele como “A Fera”. Era como demonstrávamos o respeito que sentíamos por ele. Alguns anos mais tarde, como um estudante de cinema, Scorsese se tornou o meu cara (ele foi o cineasta que me fez querer ser um cineasta). O Poderoso Chefão ainda era o ponto de referência e com todo o respeito e deferência ao bom e velho Marty, ele nunca fez "A Fera".

Coppola seguiu com Apocalypse Now. As histórias sobre a produção desse filme são lendárias - a enorme quantidade de dinheiro, equipamentos e insanidade que se passava nas selvas. Mas você gostando do filme ou não, é impossível não ficar impressionado com a grandiosidade da abordagem e da execução. É, sem dúvida, o trabalho de um mestre do cinema. Mas aí... O que? O que aconteceu? Ele nunca mais cumpriu a promessa de seus primeiros filmes. Isso me deixa triste. O que deu errado? Onde é que Francis Ford Coppola perdeu a mão?

Tudo começou com um filme chamado O Fundo do Coração. Você provavelmente nunca viu. Poucas pessoas viram. Era uma fantasia musical situada em Las Vegas, e mesmo tendo sido pioneiro de algumas técnicas de edição de vídeo, foi um desastre com o público. Em seguida, houve Vidas Sem Rumo e O Selvagem da Motocicleta. Aos diretores jovens como nós, parecia o trabalho de um cineasta desesperado que havia perdido seu público e estava tentando de tudo para se conectar com um novo. Em seguida, ele tentou uma imitação de O Poderoso Chefão, Cotton Club. Um drama épico sobre o crime, que tinha até o mesmo tipo de montagem violenta no final. Uma imitação pálida e outro desastre de bilheteria. E, finalmente, O Poderoso Chefão 3, o último esforço para recuperar a glória do passado. Eu nem preciso dizer a decepção que o filme se tornou.

Como um cineasta tão promissor se perdeu no caminho? Seria a perda decepcionante da Zoetrope Studios? Em 1969, Coppola decidiu ir contra o sistema de estúdio, que ele sentia limitar sua visão artística. Criou então a Zoetrope para financiar longas de diretores de primeira viagem. Não funcionou. Foi a pressão de pagar a enorme dívida financeira em que se encontrava? Coppola declarou falência três vezes. Não é fácil se agarrar a uma visão pessoal enquanto tenta sair de um buraco financeiro. Ou foi a trágica morte de seu filho? Tragédias pessoais encontram uma forma de colocar as ambições de glória em perspectiva. No final, talvez fosse apenas a pressão inimaginável de produzir algo que se igualasse ao grande O Poderoso Chefão.

 É difícil não refletir sobre a trajetória um tanto trágica de sua vida. O sucesso inicial tem suas armadilhas. Compare as carreiras de diretores como Spielberg e Scorsese. Começaram praticamente ao mesmo tempo. Eles faziam parte de um grupo de vanguarda de cineastas que foram revolucionando Hollywood. Mas onde Spielberg e Scorsese são viáveis, influentes, premiados pela Academia, Francis Ford Coppola, infelizmente, desapareceu de cena. Posso facilmente imaginá-lo repleto de uma profunda satisfação e apreço por aquilo que realizou. Eu também posso imaginá-lo com profundo pesar pelo que poderia ter feito. Finalmente, eu gostaria de pensar que, com a idade vem a perspectiva, até mesmo sabedoria, e talvez a aceitação. O que você acha? Todo cineasta acaba se deparando em algum momento da vida com essa questão da arte e do comércio. Como você teria lidado com isso? Ou como você imagina lidar com isso? Eu gostaria de saber.

Redação

Comente pelo Facebook

Comentários

9 comments

  1. Avatar
    José Guilherme 31 outubro, 2012 at 23:29 Responder

    Um belíssimo texto e com questionamentos que podem ser impostos a diversos outros diretores, que prometeram tanto no seu início e hoje estão se perdendo diante da demanda comercial ou por terem se tornado comerciais demais. Entre estilismo e conteúdo eu prefiro uma mescla dos dois. Pelo menos incorporando um ao outro a centelha de confiança em seus trabalhos pode ser acesa por mais tempo.

  2. Avatar
    R. de B. 1 novembro, 2012 at 14:17 Responder

    Fellini dizia que um grande diretor tem na verdade dez anos de vida útil, de lucidez digamos. Entendo seu ponto de vista mas acho que você peca por um sensacionalismo. Nenhum diretor até agora foi impecável durante a vida inteira, talvez quem mais se aproxime seja Kubrick que no entanto só fez treze filmes enquanto Coppola contabiliza dezenas como diretor, roteirista e produtor. Criar a Zoetrope foi um verdadeiro gesto de subversão se pensamos na lógica hollywoodense, é verdade que faliu mas faliu fazendo filmes que iam timidamente contra esse sistema. Coppola de 1972 à 1979 fez quatro filmes que são um dos mais importantes da história do cinema: The Godfather, A conversação, The Godfather II e Apocalypse Now. Nesse período ainda escreveu Patton e O Grande Gatsby. Sem mencionar os que antecendiam: Agora você é um homem (aos 27 anos), O caminho do arco-iris e Caminhos mal traçados. Depois ainda nos presenteeou com Drácula e The Godfather III. Todos esses grandes filmes nos fazem esquecer de outra parte da filmografia que se não são grandiosos, são pelo menos bons com exceção dos últimos. Pedir à Coppola que faça sempre um Poderoso Chefão à cada ano é como pedir à Maradona que faça sempre aquele gol contra a Inglaterra. Impossível. No entanto, é um dos únicos diretores com mais de cinco grandes filmes. Coppola manteve uma constância que o fez ficar sempre no topo.

  3. Avatar
    R. de B. 1 novembro, 2012 at 14:24 Responder

    José Guilherme, me desculpe pela franqueza mas sua opinião é um clichê. Se Coppola depois pecou foi por justamente querer fazer filmes de autor. Quando quis ser comercial fez seus melhores filmes. A maneira como você escreve, além do mais, denuncia uma falta de conteúdo e um estilismo vago. Perdão novamente mas não suportei ao ler algo incompatível com uma trajetória.

  4. Avatar
    R. de B. 1 novembro, 2012 at 14:50 Responder

    Kerven, você escreve: "Mas onde Spielberg e Scorsese são viáveis, influentes, premiados pela Academia, Francis Ford Coppola, infelizmente, desapareceu de cena." Spielberg tem apenas UM Oscar, Scorsese tem apenas UM Oscar e Coppola tem CINCO Oscar e DUAS Palmas de Ouro.
    Se para mim você pecou por um exagero, também pequei por outro, levantando uma bandeira em função de uma dor de cotovelo. Mas realmente não posso entender como se evidencia apenas um lado ruim de um diretor.

  5. Avatar
    Eduardo 5 novembro, 2012 at 02:18 Responder

    O que é Oscar? comparar o sucesso com números de oscar é algo rídiculo. Sim Coppola foi um dos maiores diretores de todos os tempos mas pecou em vários momentos em sua carreira, ao contrário do Scorsese, Spierlberg ou até mesmo Woody Allen que tem menos oscars que o tal.

  6. Avatar
    R. de B. 7 novembro, 2012 at 16:23 Responder

    Eduardo, um Oscar não significa absolutamente nada, muito menos dois ou três. Contestei a afirmação de Kerven porque entendi que a menção aos Oscar's se devia à uma justificação de talento. Quis, no entanto, evidenciar que Spierlberg e Scorsese que foram aclamados, no texto, por serem queridos na premiação, possuem menos que o próprio Coppola. Se fui mal entendido, tento aqui corrigir. Todos pecaram em algum momento da carreira, é justamente isso que tratava de dizer. Peço, por favor, que não faça uma leitura reducionista do que escrevi, atendo-se meramente à menção aos Oscar's.

  7. Avatar
    Eduardo 10 novembro, 2012 at 15:10 Responder

    Ah sim, agora entendi sua crítica e sou obrigado a concordar com você. TODOS os grandes diretores pecam em algum aspecto em sua carreira, isso é algo natural, e apesar de Coppola ter errado mais do que os maiores diretores vivos como exemplo Spierlberg e Scorsese, ele conseguiu se tornar um dos maiores da história do cinema isso me faz um fã incontestável do tal, é claro que ele poderia ter saído de cena melhor e não ter tido esse final frustrado mas isso só quem se aprofundou em sua história sabe, pois com um olhar mais superficial sobre Coppola a primeira coisa que vem a cabeça são suas obras geniais.

  8. Avatar
    R. de Barros 10 novembro, 2012 at 20:18 Responder

    Acho que chegamos à um consenso. Bergman tem mais de 50 filmes, Woody allen mais de 50 também, Scorsese deve estar chegando por aí, etc. Acho que não dá para olhar a filmografia e ficar apenas nos filmes menos sucedidos, especialmente se estamos falando dos grandes. Abraços.

Deixe uma resposta