Review: The Flash S02E05 - The Darkness and the Light

Indiscutivelmente, uma das principais forças da primeira temporada de Flash foi a presença de Tom Cavanagh na pele do Dr. Harrison Wells/Flash Reverso. O ator foi brilhante na composição de seu personagem, trazendo nuances de vilania e de figura paterna, além de convencer o espectador a "torcer" por ele. Claro que uma interpretação tão marcante não ficaria jogada apenas ao primeiro ano, e o seriado tratou logo de conseguir o retorno do ator à série, agora usando o elemento sci-fi de terras paralelas para "trazer à vida" o Dr. Wells. E neste The Darkness and the Light, o Time Flash finalmente se encontra com a versão alternativa do personagem que tanto causou problemas anteriormente.

A volta de Cavanagh foi preparada aos poucos, tanto pelo lado do próprio coadjuvante quanto do protagonista. Os roteiristas, sabiamente, apresentaram um Barry Allen marcado pela desconfiança, uma vez que havia depositado tanta fé em seu mentor, apenas para que este se revelasse como a mente por trás de tudo de ruim que acontecera em sua vida. Era de se esperar, inclusive, uma reação enérgica e furiosa quando o Flash ficasse cara a cara com Wells. Mas não é isso que ocorre. É Barry quem precisa ajudar a convencer o restante da equipe que se trata de outra pessoa, alguém vindo de outra Terra, que necessariamente não é o gênio do mal de sua contraparte. Este elemento do episódio é frágil, pois o convencimento do personagem principal acontece offscreen, uma decisão corajosa, mas que acaba atrapalhando um pouco a conexão do espectador com essa decisão. Claro que existe um motivo para tudo isso, revelado apenas no final: Barry precisa também convencer o espectador quanto à índole de Wells para que haja uma espécie de virada no último ato. Mas falta algo nessa estrutura. Depois de desconfiar de todos os personagens possíveis neste início de segunda temporada, é muito difícil comprar a ideia de que o protagonista aceita tão facilmente a ideia de que a versão alternativa não é necessariamente má.

Para corroborar com a ideia trazida pelo texto, a série joga um bem-vindo plot twist em relação à identidade da vilã da semana, a Dra. Luz. Ao apresentá-la como a Linda Park da Terra-2, a série está justamente complementando a ideia de que o novo Harrison Wells pode mesmo ser uma figura heroica. As motivações da moça também surgem interessantes, embora não sejam sustentadas por muita coisa além de diálogos expositivos.

Como o destaque do episódio é mesmo o fundador do STAR Labs, há uma interessante subtrama envolvendo a relação entre o personagem e Jay Garrick. O Flash da Terra-2 antagoniza Wells desde o início e tem seus motivos. Além do mais, o texto trabalha um outro lado do ex-velocista. Um menos heroico, que ainda deve render alguns momentos de "redenção". O maior problema da introdução de Garrick à trama, no entanto, é essa necessidade de torná-lo o par romântico de alguém. A tensão sexual com a Caitlin simplesmente não funciona, pois é visivelmente forçada como elemento "enlatado", típico do CW.

Falando em romance, a química entre Barry e Patty continua excelente e rende uma divertida sequência em que o personagem principal se encontra em um momento de fragilidade, acometido por uma cegueira temporária e precisa enganar seu par quanto a isso. Apesar de soar um pouco deslocada da trama central, essa cena estilo "comédia romântica" agrada pelo nível de simpatia dos dois intérpretes. Quem também se vê vítima da flecha do Cupido (sem intenção de trocadilhos aqui, que fique claro, não houve crossover com Arrow) é Cisco, ao conhecer Kendra Saunders (Ciara Renée), a Mulher-Gavião de Legends of Tomorrow. Boa introdução da personagem, aos poucos, sem revelar nada sobre sua origem.

FLA205c

Deixando pistas em um final aberto, para o que acontecerá na próxima semana, The Darkness and the Light é uma trama para preparação de terreno. Certamente haverá uma batalha para marcar o final da primeira metade da temporada, em que uma grande reviravolta deve acontecer, provavelmente quanto a identidade de Zoom. E esse embate começa a ser construído neste quinto episódio. Existem muitas possibilidades quanto o vilão da temporada e, principalmente, ao papel de Wells nisso tudo. Suas intenções e sua motivação sofrem um revés na última cena que provavelmente fará o espectador, lá no fundo, torcer de novo pela nova versão do personagem. Como o roteiro dá suas tropeçadas, por sorte, Tom Cavanagh salva o dia.

Alexandre Luiz

Comente pelo Facebook

Comentários

Deixe uma resposta